19 de janeiro de 2010

O meu ver

Do meu coração fluem palavras
Que imortalizam o meu ser
Que me interessa o que os outros dizem,
Sobre a minha forma de viver ?

Irritada fico
Com este mundo tão tenso
Tenho de compreender
Ninguém pensa como eu penso

Falta sempre alguma coisa
É só exageros, gritarias
Enquanto eu
Dou graças por acordar todos os dias

Dispenso extravagâncias
Prefiro simplicidade
Aprendo muito com erros
Vivo a vida com intensidade

Para quê tanta ganância ?
Dinheiro não traz felicidade..
Adoro gastar é o meu tempo
Com uma boa amizade

Amo elogios
Seja de quem for
Mas o meu coração
Pertence apenas ao meu amor :)

Assim,
Da forma mais curtida
Em poucas palavras
Contei-vos como vejo a vida

5 de janeiro de 2010

Indiferença

Indiferença: a arma mais potente contra a estupidez dos outros.
De que me vale chatear, chorar, gritar, contrariar, tentar dar a volta às coisas, ficar com cabelos brancos, ganhar rugas, por causa de pessoas que não merecem ?
Dizem sempre que não querem saber, mas ao fim e ao cabo, estão magoadas e com raiva !As pessoas estúpidas, a meu ver, são as que mandam bocas, as que pedem para sair da nossa beira, as que fazem fitas.. Isso, independentemente do que pensam, só demonstra que dão importância..
A minha arma é infalível ! Apenas ignoro.. Ignoro que essa pessoa existe, ignoro o que essa pessoa diz, ignoro que tenho de a ver.
Amigos de merda (Desculpem o termo mas não há mesmo outra maneira de dizer)? Não, obrigado.
Por muito poucos que possam ser, bastam-me os amigos de verdade.

4 de janeiro de 2010

O que acham que significa ?

Escrevi um texto ao qual consegui atruibuir vários significados (mesmo que para mim apenas um esteja correcto)..
O que quer dizer o texto para vocês ?

A solidão reconstrói-me à medida que saio da luz
A miséria dá-me forças à medida que me despeço
Curo as minhas feridas com tristeza
Sonho contigo
Mantenho-me viva.


Façam o vosso melhor ;)

A Vida e a Morte


Este tema é particularmente interessante, a meu ver...
Existem teorias sobre a morte que eu acho bastante absurdas como, por exemplo, uma pessoa pode cair de um 15º andar e não morrer porque, simplesmente, não chegou a sua hora. Bem, até pode acontecer, quem sabe... Acho que tenho esta opinião, porque sou mais uma rapariga de ciência do que de fé.
Há quem diga também que, depois de morrermos, reencarnamos. Até pode ser verdade, quem sabe se noutros tempos eu já fui "alguém" ou se ando à procura de alguém que já me foi importante noutra vida.. enfim.. mistérios...
Porém, existe uma afirmação com a qual eu concordo mais: "A vida são umas pequenas férias que a morte nos dá." Não sei quem disse esta frase, mas seja quem for está bem ciente de que a vida é muito curta.
Num momento somos crianças e desejámos ser adultos e no outro somos adultos e pensamos o contrário.. e quando menos esperamos, morremos.
Não sei se alguma coisa do que disse irá, de facto, acontecer. Parece que vou ter de esperar que a morte me leve para ver.

Amizade


Sempre tive dificuldades em explicar o que é a amizade, por isso fui ao dicionário procurar o seu significado.
No dicionário encontrei o seguinte:
" Amizade- afeição por uma pessoa; afeição; dedicação. "
São informações tão vagas...
Será que é muito difícil explicarem-me (correctamente, de perferência) o que é realmente a amizade?
Vou expôr o que penso e depois vejo se chego a algum consenso.
Bem, sempre me disseram que um amigo é aquele que dá sem esperar nada em troca (o que eu sei que não existe), que é aquele que está sempre lá para e por nós, e coisas desse género..
Continuo a achar que são explicações muito superficiais.
A amizade é uma coisa que se sente, não se vê a olho nu. Vemos, porém, manifestações da sua existência. Vamos, então, falar de coisas psicológicas.
Amigo, aquele que sente o que eu sinto quando estou triste (por exemplo); aquele que diz as coisas para o meu bem, mesmo que me magoe ou me deixe revoltada.
Porque quando eu choro, as pessoas que dizem ser "minhas aimgas" estão lá, mas o meu amigo de verdade é o que tem os ombros molhados.

Os Sonhos

Este foi o meu primeiro texto de 2010 !
Não sei porquê mas sentia-me um pouco em baixo. Devia ser do tempo.
Senti uma necessidade de escrever. Saíu isto:

Eras , um dia:
A luz que iluminava o meu lado negro interior
No outro:
Uma rosa, no meio de muitas, mas a única que dava cor à vida
No outro:
Um anjo de vidro, que com um descuido me caiu das mãos
Perdi-te.
Apressei-me a tentar juntar as peças com lagrimas,
Era tarde de mais.
De que me servem agora abraços qentes do sol, beijos do vento?
Desmoronei.
Imploro agora aos sonhos que me tragam a luz, o anjo , a vida. Para ter uma recordação de felicidade, nem que seja por instantes.


Gosto particularmente deste texto.
Vejo os sonhos como um refúgio. Muitas vezes, de facto, são mesmo a única fonte de felicidade..