27 de março de 2011

My Life in Words #75

Domingo, 27 de Março de 2011


Querido diário,

Hoje é o dia especial, de uma pessoa MUITO especial, por isso, está página de diário é completamente dedicada a essa pessoa.

Não há palavras para descrever o que me fazes sentir, quer estejas comigo ou não.
Fazes-me rir, cuidas de mim, preocupas-te realmente comigo, amas-me como sou.
Estiveste sempre do meu lado quando precisei, sem nunca te cansares de ouvir o que precisava de sair de cá de dentro, limpas-te me as lágrimas da cara quando me libertei totalmente e não há nada mais forte que a confiança e o amor que nos unem.

Fazes-me feliz.

Parabéns, Pedro Silva!
Amo-te muito.

25 de março de 2011

Romance - Parte I

E lá estávamos nós.
Agarrados, bem juntos, com os dedos entrelaçados pousados nas minhas pernas.
Calados, imóveis...
Sentia o calor do corpo dele nas minhas costas... Sentia o bater do seu coração... Sentia a sua respiração no meu ombro..
Assim ficamos durante algum tempo, como que apreciando o silêncio que naquele momento nos unia.
Não me lembro de nada que nos rodeasse.
Também, nada era mais importante do que ele, do que o conforto que ele me dava, do que a sensação de segurança, a sensação de ser amada, desejada...
Nenhum de nós parecia querer acabar com o silêncio. Talvez porque o próprio silêncio dissesse tudo o que havia para dizer, até que ele o quebrou:
- Casas comigo, amor ?

21 de março de 2011

Porquê ?

Sinto-me perdido.

Não sei o que aqui faço, nem o que é suposto eu fazer.
Não entendo o porquê da vida, se acabam todos por morrer.

Neste mundo tão grande, eu sou tão pequenininho.
Por muita gente que me rodeie, sinto-me sempre sozinho.

Até no conforto do meu quarto, as paredes encolhem à minha volta.
Bem tento, mas não consigo gritar numa voz alta, dorida, solta.

Não tenho quem me conforte, neste planeta sou vagabundo.
Não compreendo as razões de nada, não sei o porquê deste mundo.

20 de março de 2011

Libertação

Há vezes em que é mesmo preciso deitar tudo o que nos faz sentir tensos cá para fora.
Começar devagarinho, ou deixar cair tudo de repente, é indiferente. A verdade vem sempre ao de cima quer queiramos quer não.
Nestas situações, passa-nos tudo e mais alguma coisa de mal pela cabeça. Qualquer coisa que nos faça hesitar. Qualquer coisa que nos mete medo. Mas nem tudo o que parece é.
Quem sabe se iremos ser surpreendidos pela positiva ?
Mesmo assim, há que estar preparados para o que der e vier porque, neste mundo, se queremos realmente alguma coisa temos que lutar por elas, merecê-las.

Enfim, o que quero mesmo dizer é que há sempre alguém com quem falar, alguém que nos guie até determinado sítio, alguém que nos dê a mão...
Nunca estamos realmente sós e falar, com pessoas que valham realmente a pena.. é como que pesos saíssem de cima dos nossos ombros.

15 de março de 2011

Mentir está na moda

Parece que sim, e não me acontece só a mim.
É só mentirosos que por aí andam..
Mentem aos outros, mentem a eles próprios, afundam-se em mentiras.
Desnecessárias, dolorosas, mortais...

Porquê ?

O que é que interessa se a verdade dói ?
O que é que interessa se nos desaponta, entristece, magoa ??
O tempo cura tudo e com ele vamos sentindo alívio.

Quem nunca mentiu que atire a 1ª pedra, todos o fizemos.
Mas basear uma vida em mentiras ? Nunca.

Falo por mim, como sempre.

8 de março de 2011

Plágio

A única coisa que tenho para dizer acerca disto é que tenho pena.

Pena da INSUFICIÊNCIA MENTAL das outras pessoas ao ponto de se apoiarem no trabalho dos outros.
Pena que não sejam HONESTOS, nem com eles próprios.
Pena que sejam demasiado burros para não perceberem o significado de DIREITOS DE AUTOR.
Pena que se achem grandes quando na verdade o que fazem é ROUBAR.

Não há nada mais poderoso que a originalidade.



Plágio, a criar mentirosos desde que a internet foi inventada.

3 de março de 2011

My Life in Words #74

Quinta-feira, 3 de Março de 2011

Querido diário,

Finalmente, estou de volta e tenho muita coisa para dizer!

Hoje em dia, é comum as pessoas (crianças/adolescentes) se encontrarem em situações menos confortáveis, principalmente quando as suas atitudes são as mais infantis que possam existir, o que faz com que os outros reajam, ou seja, comentem ou , de certa forma, repreendam. As "criancinhas" pensam que essa repreensão é como que uma deixa para contar as coisas menos boas que sabem sobre quem os repreende. É que não dizem nada com sentido !!
Exemplo (que pode não ter nada a ver, mas é mesmo só para tentar explicar):

- Oh Joaquina, porra ! És mesmo infantil !
- Olha, ao menos não ando a rodar os gajos todos da escola...

Sim, são estas PORRAS de coisas que uma pessoa normal tem de ouvir... Todos os santos dias...


Outra coisa.
Ter opinião própria sobre o que quer que seja está a tornar-se raro.
Há cada vez mais lambe-botas que parecem cães de mola que só sabem abanar a cabeça de cima para baixo sem parar, de modo a agradar seja quem for. E quando alguém que dá a sua opinião, seja qual for, seja certa ou errada, coisa que não interessa, é logo atacado pelo pessoal sem carácter que vive a vida a bajular os outros, como sinal de fraqueza e medo.
Há que saber dizer não e utilizar a liberdade de expressão a que temos direito que é para isso que ela existe.