31 de agosto de 2011

A minha pequenina

No passado dia 29 a minha sobrinha completou 2 aninhos!
É assustadora a forma como o tempo passa, até porque parece que ainda ontem saí de casa a correr e a gritar para o meu pai que a bebé tinha nascido...
Ah, quem não bebeu nessa noite?
A minha Di é a coisa mais fofa do Mundo e tem uma capacidade de fazer as pessoas rir, é uma coisa louca! Isto é...Quando está de bom humor, porque tanto faz uma pessoa rir como tão depressa faz a mesma arrancar os cabelos...
Enfim, é pequenina.
É a minha Dianinha!

Parabéns!
<3

Que rapariga nunca pensou isto?

30 de agosto de 2011

Rant #1

Para resumir, num Rant uma pessoa queixa-se. Vou-me queixar de coisas.
Imaginem chegarem a casa, após um longo dia de trabalho, ou outra coisa qualquer, completamente esgotados e só querem ir dormir.
Estão tão perto da cama e lembram-se que não fecharam a porta à chave. Voltam para trás, remexem a carteira, com os olhos semicerrados à procura da chave e fecham a porta.
Começam a apressar-se para a cama e estão quase a entrar quando pensam: "Aiii! Que burra! Nem me lembrei de apagar a luz!". Então levantam-se, porque o interruptor se encontra do outro lado do quarto, arrastam-se para lá, apagam a luz e voltam.
Conseguem finalmente deitar-se, mas dá-vos uma sede daquelas! Levantam-se, acendem a luz do quarto, chegam à cozinha e, de olhos quase fechados remexem o armário dos copos, enchem-no com àgua, bebem e, só para prevenir vão buscar bolachas para o caso de vos dar fome e também vão ao wc para não terem de, eventualmente acordar de noite.
Depois de tudo prontinho, apagam tudo, voltam para a cama com os olhos fechados, cobrem-se e aconchegam-se muito bem quando de repente:
"- OH MEU DEUS! Amanhã tenho teste de História!"

15 de agosto de 2011

Um Tema! Precisa-se.

Oh meu Deus! Se eu não arranjar nada de jeito para fazer eu juro que dou com a cabeça na parede...
Preciso de arranjar algo para escrever. Um  tema, uma ideiazinha mínima, qualquer coisa!
Estou a ter um Brain Fart! NÃAAAOOOOOOOOOOOOOOO!
Brain Fart é quando, literalmente, não nos sai porra nenhuma da cabeça. E isso está a acontecer comigo agora mesmo.
Não tenho mesmo nada para fazer, para escrever...
Vou voltar a contar quantas cartas há num baralho, vou distribuí-las para me certificar que existem 4 cartas iguais por naipe, vou prender e soltar o cabelo mais 1000000000 vezes, vou fazer a cambalhota na para a frente e para trás sem parar...
Brain Fart dá nisto.

14 de agosto de 2011

O meu maior medo,

é encontrares por aí alguém que seja capaz de te fazer mais feliz que eu...


Apeteceu-me.

Ray William Johnson,
um homem no youtube que me faz rir MUITO, uma vez por semana.

Be careful, he might be stalking your mom:

11 de agosto de 2011

Perdi-me, perdi tudo (Parte I)

Tinha 5 aninhos quando o meu mundo começou a desabar lentamente.
Levaram a minha mãe e prenderam-na sem mais nem menos (pensava eu na altura) e eu fiquei ali agarrada ao meu pai a chorar desalmadamente...
Tinha notado nela algo de diferente. Ela andava distante, fria.. Chegava mais tarde a casa e saia a meio da noite.. Eu era pequena, por isso não me importei muito. Descobri, mais tarde, que ela foi presa por causa de droga.
Agora rio-me ironicamente do quão despedaçada fiquei, já irão saber porquê.
O meu pai morreu nesse dia, pelo menos a sua alma sim. Aquele corpo sem vida nenhuma, sem felicidade, sem calor arrastava-se agora da sala para o quarto e, na maior parte das vezes, nem se mexia. Mal me falava, deixou de trabalhar, de se cuidar deixou de viver.
Fiquei sozinha. Uma criança abandonada.
Deixei de ir à escola para me entreter com um monte de outras coisas e ninguém quis saber.
Um dia acordei com o som de camiões na minha rua. Alguém se havia mudado para a casa ao lado e, sem conter a curiosidade, desci para ver quem era. 
Para meu agrado era uma família da qual fazia parte uma miúda como eu.
Começamos a falar, a sair e assim me tornei ainda mais independente. Já nem parava em casa.
No meu 16º aniversário ela levou-me à cidade para conhecer alguns amigos dela.
Cheguei lá e deparei-me com um grupinho sinistro de rapazes, mas nem quis saber... Era gente dela, era minha também.
Levaram-nos para uma casa qualquer onde nos disseram haver uma festa... Entramos, falamos umas coisas quaisquer e bebemos, bebemos e bebemos.
De repente ela saltou para o colo do rapaz que estava ao lado dela.
Eu fiz o mesmo.


[Continua]

Saudades de casa

Fui passar uns dias à aldeia da minha avó, em Vouzela (já falei desta aldeia algures aqui).
Nunca vi dias tão quentes, piscinas tão boas, nunca tirei muito tempo para apreciar as vistas como desta vez e aquilo é lindo... Aprendi a jogar bilhar, consolei-me nos matrecos... O problema foi à noite. Não há mesmo nada como a caminha de casa, mas foi só mesmo a primeira noite, porque na segunda bebi o suficiente de receita para dormir a noite toda....
Voltei a casa, mas amanhã há mais diversão...

<3


Acabou

Ora bem...
Estive a pensar muito bem durante estes dias que estive fora, longe de tudo e de todos e cheguei à conclusão que vou deixar de escrever assim...


Não, não vou deixar o blogue, mas vou deixar de escrever o que as pessoas querem ler, algo com o qual alguém se identifique, algo muito lindo e puro, algo completamente embelezado sem realidade nenhuma e sem emoção. Chega.
Eu não sou uma adolescente normal, por isso, ninguém se pode identificar comigo a menos que seja anormal.
E eu gosto de ser assim.

Tretas? Nunca mais.




Música do MÊS:








2 de agosto de 2011

Sabem quando começam a areder por dentro?
Quando querem dizer alguma coisa e, no entanto, só conseguem gritar e rosnar?
Sabem quando dizem que matam, esfolam, estripam, mas nunca fazem nada?
Ou então quando os nervos são tantos que vou fazem partir coisas, arranhar coisas, morder coisas e tentar impingir dor nos outros?
Isso, é raiva.